terça-feira, 26 de maio de 2009

Curiosa

Considero-me uma pessoa curiosa, não sei até que ponto isso é bom ou até que ponto isso me prejudica, mas sou curiosa. Gosto que observar as pessoas e saber até que ponto elas estão determinadas a ir , eu gosto de seduzir, não é nada sexual sabe? Mas gosto de olhar nos olhos e imaginar a história dela, gosto de imaginar o que ela sente quando me olha e de saber o que existe por trás de toda arrogância do ser humano, que muitas vezes deixa a alma nua e se torna um ser tão frágil . Nessa busca (uma coisa quase espiritual) eu me deparei com muitas coisas , me daparei muitas vezes comigo e nunca sei até que ponto eu estou certa . Outro dia discutindo com um amigo sobre alguns problemas ele disse que na minha vida só faltava eu me 'apaixonar por duas pessoas ',para me defender do comentário eu lhe disse que não acho possível que isso aconteça, e assim contestei minha própria fé. Ora, é lógico que isso é possível! Eu sou apaixonada por varias pessoas, aquelas com coisas pra contar, com a liberdade que aflora na pele. Mas quando se trata de amor, ai é um só . (mas isso é outro "causo") . Estou lendo 'Onze minutos- Paulo Coelho' que conta a história de uma menina do sertão do Brasil que sofreu por amor algumas vezes, e na esperança de ser rica foi para a Suiça, mas não imaginava que se tornaria prostituta. O incrível é que eu por varias vezes me reconheci nela, na busca pela liberdade, pelo amor e pelo mais perigoso : a alma das pessoas . Não, eu nunca me vendi por dinheiro ! Mas em uma certa fase da vida eu me entreguei por meias palavras e por olhares frios . Não me arrependo nenhum pouco e me orgulho de todas as besteiras que eu já fiz, elas colocaram pedacinho por pedacinho do meu ser entendem ? Eu gosto de testar os meus próprios limites e rir quando alguém acha estranho, que mal tem libertar aquilo que todo mundo sente mais esconde ? As pessoas tem medo de sentir, medo de ser livre .. e sinceramente eu não sei se restaram vestígios desse meu medo . Lembro-me que quando eu era bem mais nova, disse ao dono da locadora que seu nome era diferente, e eu tinha gostado .. 'DENVER' , ele que antes era simpático resolveu que não iria mais falar comigo como antes. Estava noivo, era evangélico e nunca, NUNCA MAIS me olhou nos olhos. Sabem como eu entendi isso? MEDO. Eu apenas havia dito que seu nome era diferente, mas ele se fechou com medo de se envolver, minha intenção jamais foi conquista-lo, mas foi assim que ele entendeu e fugiu. Sempre que o encontro eu dou risada, por que ele realmente não fala mais comigo. Já transei em um carro de frente para o mar com vinho barato e delicioso, ja roubei uma bicicleta para visitar um 'amigo' (calma, eu devolvi a bike rs), todas as vezes que preciso chorar vou a praia pra me libertar, gosto de conversar com as pessoas pra entender cada universo,gosto de me sentir amada e olhada (não sou exibicionista e como eu disse não é nada sexual), gosto de dançar musicas bregas nas ruas com minhas amigas, gosto de viver e amar. Como eu disse em algum post a vida passa rápido de mais, e as vezes precisamos sair da rotina ? Dedique-se a conhecer a si e as pessoas ao seu redor. Olhar nos olhos, ouvir histórias, viver outras, apaixonar-se pelas pessoas e por todas as coisas que elas tem a lhe oferecer e procurar nesses dias tão agitados, minutos só seus.

"A vida é curta-ou longa de mais- para que eu possa me dar ao luxo de vive-la tão mal" (trecho do livro -Onze Minutos-)

Bom gente, me senti tão sufocada com essas palavras que fui anotando mentalmente minha vida quando voltava do trabalho. To toda confusa com esse negocio de faculdade e vida adulta, mas hoje quando comecei a ler o livro eu me encontrei de novo , aquela menina cheia de vida e experiências boas. Agradeço a Deus todos os dias por ter cuidado de mim quando eu esquecia o juízo em casa e me colocava em perigo, mas hoje eu vejo que se eu não tivesse feito cada coisa de maneira intensa não teria sido completa. Eu sou os dois extremos da corda. Sou presa ao amor e a segurança, e livre para a vida e para as pessoas. Costumo dizer ao meu amr que ele é o meu porto seguro e minha liberdade, nele eu encontro minha segurança e com ele eu vivo minha liberdade. Quero me encontrar assim profissionalmente para que todas as coisas sejam completas.

Caramba, quanta coisa eu escrevi heein? Agora vocês podem me achar ladra e oferecida rs !
Agora depois de escrever tanto eu to até pensando em fazer jornalismo.

Beijo grandeeee!

10 comentários:

Gabriela Castro disse...

Flor, adorei a postagem. Me senti como se estivesse na sua frente te ouvindo contar seus 'causos' rs
beijao

.: Juliana :. disse...

Adorei o texto. É isso ai. Gostaria muito de ter ouvido isso pessoalmente :)

Muita sorte e sucesso.

.meu beijo

Menina Nina disse...

Também tenho essa mania de observar o jeito como as pessoas agem em determinadas situações. Já fiz alguns loucuras, outras gostaria de ter feito e muitas outras ainda pretendo fazer. Quem não tem diversas histórias assim para contaR?

Mas, me identifiquei totalmente com o final do teu texto. Tenho o meu namorado como meu porto seguro (ele as vezes balança, mas nao afunda) e meu sonho é ter essa tranquilidade no meu trabalho tambem.

Paula disse...

Oi flor!
Olha, essa "mania" tua de tentar desvendar o outro, através do olhar, do tato, do relacionamento, ainda vai te levar além, tenha certeza.
Muitas pessoas têm medo de que outras a olhem nos olhos. Medo de que seus segredos sejam decifrados. Medo de que suas angústias sejam desbravadas....medo de serem humanos.
E eu concordo que há poucas coisas mais belas na vida do que a sinceridade que vem dos olhos.

Ps: Eu também acredito que amor sentimento (ou sexual - ou entre casais) que é diferente do amor fraternal (ou de amigos, conhecidos, pela vida) realmente ... é um só...e por toda a vida.

Ps2: Jornalismo é belíssimo! Mas eu ainda acho que o Direito te possibilitaria uma gama de oportunidades maior, não obstante também traga a possibilidade de escrever, escrever, escrever.

Mas acho que você tem que seguir seu coração, literalmente. Eu tive que escolher minha profissão aos 17 anos e confesso que isso é meio cruel. Tire o tempo que precisar e não se apresse. A resposta virá!...

Líviany Moura disse...

Uai, achei q eu era sua seguidora... :oS

Nada n, agora sou!!! :o)

Tb sou curiosa flor, mas isso n me atrapalha n, da pra conviver com isso... So umas passadinhas dos limites de vez em quando... Sou humana, né?! ehehhe

Olha, otimo findi pra vc, viu?!

Beijo de nos 2 nocê!

Marjory de Oliveira disse...

Ouwmm que lindo o texto mecheu comigo JURO.
um beijo flor saudades dos nossos almoços.

Valdemir Reis disse...

Olá é sempre uma grande satisfação voltar aqui, registro minha gratidão por sua amizade, atenção e gentileza, obrigado mesmo de coração por sua visita e comentário, tudo isto nos fortalece e aproxima. A casa é nossa volte sempre. Saiba que admiro muito o seu trabalho. Realizado sempre com muita Inteligência e excelente qualidade, parabéns pala belissima publicação, meu reconhecimento e votos de muito sucesso e brilho.
Quero compartilhar com você o poema abaixo do nosso imortal Vinícius de Moraes:
“Certas palavras podem dizer muitas coisas;
Certos olhares podem valer mais do que mil palavras;
Certos momentos nos fazem esquecer que existe um mundo lá fora;
Certos gestos, parecem sinais guiando-nos pelo caminho;
Certos toques parecem estremecer todo nosso coração;
Certos detalhes nos dão certeza de que existem pessoas especiais,
Assim como você que deixarão belas lembranças para todo o sempre. Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.”
Desejo um fim de semana repleto de alegrias extensivo aos familiares. Forte abraço, paz, luz, saúde, prosperidade e muitas bênçãos. Fique com Deus. Felicidades.
Valdemir Reis

Bill Falcão disse...

Huuuuuuuuuummmmmmmmm!!!!!!!
Interessante esse seu post, Flores Atiradas!
Você é das blogueiras que gostam de refletir sobre a vida, né? Tá certa! E divide suas reflexões conosco!
Apareça sempre lá na redação! Mas, reflita também sobre essa idéia de ser jornalista! Eu sou (há muuuiiitooosss anos)e te digo que nas outras redações não costumam atirar flores na gente! É dose! Avisei, né?
Bjoooooooo!!!!!!!!!!

Jonathan Flexa disse...

Essa blogosfera tá perigosa entre os autores que acompanho. Pessoas buscando felicidade, verdade, conhecimento, vivêssemos numa realidade favorável a revolução estaríamos entre os revoltosos.

O Jornal Nacional mostrou nessa semana matérias sobre as boas obras evangélicas pelo país, mas pergunto: é necessário ser evangélico para ser bom? Ou só quem freqüenta os cultos consegue praticar o bem?

Sobre o livro do Paulo Coelho, não consigo parar de pesar que é uma paródia descarada dos “Cinco Minutos” do José de Alencar.

Paula disse...

n suma!!>..rs