quarta-feira, 16 de setembro de 2009

TEMPESTADE

Chovia muito la fora, e nós continuávamos evitando olhares e palavras, era tudo desnecessário por que o corpo fala sozinho, teu perfume invadia a sala e fazia meu coração disparar, você sabe que eu tenho medo de tempestade, e o céu insistia em despejar sua fúria sobre a terra, tornando tudo tão mais complicado, eu queria um abraço, queria o seu abraço. Sabendo daquele temor tão intimo você se aproxima de maneira sutil e me envolve em teu peito, começo a me sentir segura mas ainda existe um medo, o medo de pertencer a você ali mesmo, esquecendo os pudores e as regras. Quem escreveu todas as leias se esquecia de que certos desejos eram inevitáveis, que cresciam como um câncer, silencioso, para causar danos devastadores no corpo. Me beija! Primeiro lentamente se aproveitando dos efeitos que o medo causa em mim, descobrindo minha boca, meu gosto . Recupero os sentidos, sinto você também, é muito mais do que eu imaginei que fosse, mais delicioso que qualquer outro tormento, não é mais misterioso, me pertence, nos pertence. Te arranho da maneira que você confessou gostar, vejo o arrepio que causo em você, teu corpo responde, você me aperta mais forte e eu posso te sentir . A chuva cada vez pior, os raios iluminando a sala, tudo tão propicio ! Com mãos apressadas que buscam o controle, você começa a me despir, e em um movimento brusco vou tirando sua roupa, é uma dança que ensaiamos a muito tempo, e agora é chegado o momento de ser um só, da maneira que desejamos secretamente todo esse tempo, mataríamos ali a vontade contida porque não havia como voltar, era tarde e eu já estava em seus braços. Vou guardando cada detalhe seu dentro de mim, seus sorrisos, seu olhar meigo me devorando, suas mãos macias passeando em meu corpo, as palavras doces, os gemidos soltos no ar, seus beijos. Naquele momento não existe nenhum outro mundo, as horas pararam e tudo gira em torno da vontade que carregamos todo esse tempo, pra que pressa? Come lentamente, saboreando cada pedaço como se fosse o ultimo . Hoje eu sou sua e não quero sair daqui, não quero abrir os olhos porque a visão que eu tenho é perfeita, meu musico, meu tormento, vem e acalma a tempestade em meu peito.

3 comentários:

Gabriela Castro disse...

Uauuuuuuuu!
Precisamos conversar!
Rsrsrs
beeeijo flor

Paula disse...

Nooooossaaaaaa quanta intensidade!!!!!
Menina, perdi o fôlego rs!

Moni disse...

hummm q delicia hehehe bjks