sexta-feira, 28 de maio de 2010

manual

sou uma coleção de cortes incuráveis. sou um passado sempre presente e um futuro quase palpável. cuidado ao lidar comigo, de brinde você ganha uma cesta de complicações, sonhos bons e algumas ilusões. atenção redobrada ao me fazer te amar, ao me fazer promessas. eu luto e reluto na esperança de não acreditar, de não me apegar, mas romântica que ainda sou (apesar de tudo) acredito nas árvores e nos frutos. e é tão fácil acreditar quando a época é de colheita boa. quando os sorrisos não trazem dúvidas. então querido, cuidado ao me manusear, eu possuo pontas que a vida tratou de afiar, mas um coração que todo o amor pode suportar.

E a fé deve ser isso .
Acreditar em algo que você não pode ver, esperar resultados para o que se deseja e não vacilar por nenhum segundo.
O amor é na verdade a própria fé .


dia de pecar :D

6 comentários:

Mikaelly Andrade... disse...

Que pena que ninguém ler os manuais, será que todos contém palavras tão bonitas quanto o seu?

"E a fé deve ser isso .
Acreditar em algo que você não pode ver, esperar resultados para o que se deseja e não vacilar por nenhum segundo.
O amor é na verdade a própria fé ."
Lindo isso.
bjos

Priscila Rôde disse...

Adorei seu post! Muito, muito! Me identifiquei! :D

"eu possuo pontas que a vida tratou de afiar, mas um coração que todo o amor pode suportar. "

Bill Falcão disse...

Perfeito! Sem fé...
Bjoo!

leonel disse...

Este é quase o meu manual também!

Abraço do Leonel.

Erica Ferro disse...

Ah, ADOREI DE VERDADE essa postagem.
Mesmo!

'O amor é a própria fé'.

Aham, é sim!

Beijo grande.
Obrigada pelo carinho de sempre (e eu já agradeci assim antes, huahauha).

Gabriela Castro disse...

Florzinhaaa, acho que essa foi uma das postagens mais lindas que li por aqui :) Tá lindoooo aqui. Parabénssss!
Saudadona gigante!
beijos