quinta-feira, 15 de julho de 2010

..

eu vou guardar você, só pra viver sem esses intervalos em branco que tua ausência me causa. vou te olhar dormir, mesmo com você espaçoso me espremendo contra a parede, vou me encher de paz e querer te acordar, sem ter assunto pra conversar, só pra te ouvir dizer meio com sono, o quanto me ama e com olhos fechados, sorrir feito criança, me puxar por teu lado e então voltar a dormir, enquanto eu continuo te velando.



8 comentários:

Juliana Nunes disse...

*__*

Tácila R. disse...

"só pra viver sem esses intervalos em branco que tua ausência me causa."

Aiin, todo mundo deu pra me entender hoje é? rsrsrs'
Amei o texto! Lindo, lindo.
Obrigada pela visita!
Beijos :*

Priscila Rôde disse...

Tem coisa melhor não! Tenho certeza!

Naty Araújo disse...

Aii que delícia... essa imagem é bem sugestiva tbm.

Adorei linda.
Não, não vou sumir mais não, prometo.

Beijoooooooos.
Ahhh hj é sexta... vai pecar mto? rs

Thaisa Schelles disse...

O amor é a delícia da vida, ele se satisfaz nas pequenas coisas!

Lindo.

Gostei do seu blog, estou te seguindo;*

Mikaelly Andrade... disse...

Aí cada dia que passa fico mais encantada com o que vc escreve.Que lindo.
Ah tô fazendo um sorteio no blog se quiser participar...bjos flor.

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog do Mar Íntimo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Jacky Simionato disse...

ahhhh que lindo!
Romantico hein?
beejo beejo":"